A Legião dos Servos de Maria no Vale dos Suicidas

VALE DOS SUICIDAS

Periodicamente, singular caravana visitava esse antro de sombras (VALE DOS SUICIDAS).
Era como a inspeção de alguma associação caridosa, assistência protetora de
instituição humanitária, cujos abnegados fins não se poderiam pôr em dúvida.
Vinha à procura daqueles dentre nós cujos fluidos vitais, arrefecidos pela
desintegração completa da matéria, permitissem locomoção para as camadas do Invisível
intermediário, ou de transição.
Supúnhamos tratar-se, a caravana, de um grupo de homens. Mas na realidade
eram Espíritos que estendiam a fraternidade ao extremo de se materializarem o suficiente para se tornarem plenamente percebidos à nossa precária visão e nos infundirem confiança no socorro que nos davam.
Trajados de branco, apresentavam-se caminhando pelas ruas lamacentas do
Vale, de um a um, em coluna rigorosamente disciplinada, enquanto, olhando-os
atentamente, distinguiríamos, à altura do peito de todos, pequena cruz azul-celeste, o que parecia ser um emblema, um distintivo.
Senhoras faziam parte dessa caravana. Precedia, porém, a coluna, pequeno
pelotão de lanceiros, qual batedor de caminhos, ao passo que vários outros milicianos da
mesma arma rodeavam os visitadores, como tecendo um cordão de isolamento, o que
esclarecia serem estes muito bem guardados contra quaisquer hostilidades que
pudessem surgir do exterior. Com a destra o oficial comandante erguia alvinitente flâmula,na qual se lia, em caracteres também azul-celeste, esta extraordinária legenda, que tinha o dom de infundir insopitável e singular temor: – LEGIÃO DOS SERVOS DE MARIA.
Os lanceiros, ostentando escudo e lança, tinham tez bronzeada e trajavam-se com
sobriedade, lembrando guerreiros egípcios da antiguidade. E, chefiando a expedição,
destacava-se varão respeitável, o qual trazia avental branco e insígnias de médico a par da cruz já referida. Cobria-lhe a cabeça, porém, em vez do gorro característico, um turbante hindu, cujas dobras eram atadas à frente pela tradicional esmeralda, símbolo dos esculápios.
Entravam aqui e ali, pelo interior das cavernas habitadas, examinando seus
ocupantes. Curvavam-se, cheios de piedade, junto das sarjetas, levantando aqui e acolá algum desgraçado tombado sob o excesso de sofrimento; retiravam os que
apresentassem condições de poderem ser socorridos e colocavam-nos em macas
conduzidas por varões que se diriam serviçais ou aprendizes.
Voz grave e dominante, de alguém invisível que falasse pairando no ar, guiava-os
no caridoso afã, esclarecendo detalhes ou desfazendo confusões momentaneamente
suscitadas. A mesma voz fazia a chamada dos prisioneiros a serem socorridos, proferindo seus nomes próprios, o que fazia que se apresentassem, sem a necessidade de serem procurados, aqueles que se encontrassem em melhores condições, facilitando destarte o serviço dos caravaneiros. Hoje posso dizer que todas essas vozes amigas e protetoras eram transmitidas através de ondas delicadas e sensíveis do éter, com o sublime concurso de aparelhamentos magnéticos mantidos para fins humanitários em
determinados pontos do invisível, isto é, justamente na localidade que nos receberia ao sairmos do Vale.

Parte do livro Memórias de um suicida

Ivone Amaral Pereira
download
Anúncios

Obrigado pela visita! Deixe seu comentário aqui! Indique o Mensagens Espíritas a um amigo! Muita paz

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s